Resenha

Quase nada Borges

O argentino Jorge Luis Borges é mais conhecido pela sua prosa, embora tenha sido prolífico também na poesia e na crítica – caso tais definições pudessem ser a ele aplicadas. Mesmo com o avanço de sua cegueira, abandonando certas experiências de juventude, alcançou um tratamento do verso que revive algumas técnicas que podem ser muito úteis para reacender centelhas de clareza e coerência. Nisso reside a boa qualidade deste de Quase Borges – 20 transpoemas e uma entrevista, de Augusto de Campos, que tenho em mãos.

Continue lendo
Resenha

Má-fé na tradução

Má-fé, no sentido sartriano de enganar não apenas os outros, mas também de enganar-se, é o conceito usado por Cyril Aslanov para discorrer sobre A tradução como manipulação (Ed. Perspectiva e Casa Guilherme de Almeida, 2015). Em seu livro, o professor israelense expõe e comenta casos de falsificações, negligências, censuras, motivações políticas, boicotes, deficiências do Google Tradutor, bajulações, apropriações e também casos em que a má-fé percorre outras camadas do texto, por vezes chegando ao seu estatuto ontológico. Continue lendo